Crítica | Golpe Duplo (2015)

D Por Vinicius Menegolo

Dois tipos de filmes vinham desapontando ultimamente: os de trapaça e os do Will Smith. Truque de Mestre (2013) é um exemplo desastroso de como a temática pode ser mal explorada e Depois da Terra (2013) e Um Conto do Destino (2014) fizeram o ator repensar os filmes dos quais iria participar. Com uma história atraente, atuações encantadoras e um visual fascinante, Golpe Duplo certamente cumpre seu papel em entreter e, felizmente, é capaz de dar novo fôlego tanto ao subgênero quanto ao ator. É bom ver Will Smith de volta ao que ele sabe fazer de melhor.

Nicky (Smith) é um experiente trapaceiro que se depara com Jess (Margot Robbie), uma novata que tenta lhe aplicar um golpe, mas que é rapidamente desmascarada. Apesar da tentativa fracassada, Nicky vê uma espécie de talento natural na garota e decide tornar-se seu mentor nesse mundo dos esquemas e mentiras. De forma nada surpreendente, os dois acabam se envolvendo emocionalmente, algo não muito inteligente a se fazer quando se está neste ramo. O romance poderia ser o maior ponto fraco do filme, não fosse pela incrível química entre os atores. É perceptível a naturalidade com que eles contracenam e ambos apresentam performances fascinantes. A dinâmica entre eles é tão boa que seus personagens perdem força quando estão separados. Focus-2015-Movie-Will-Smith-Margot-Robbie Escrito e dirigido pela dupla Glenn Ficarra e John Requa, do subestimado Amor a Toda Prova (2011), Golpe Duplo possui uma trama dinâmica e envolvente, como na maioria dos filmes de trapaça. Somos conduzidos por um universos de golpes variados, de batedores de carteiras a golpes bastante elaborados, enquanto acompanhamos a transformação de Jess em uma Femme Fatale. Apesar de conseguir surpreender em diversos momentos, a história acaba caindo em alguns clichês justamente por tentar fugir do lugar comum. Um problema que não é exclusivo desse filme e que de maneira alguma faz com que o roteiro se torne óbvio ou enfadonho. Um ponto que merece destaque são as participações de Adrian Martinez e Rodrigo Santoro. Martinez, o gordinho de A Vida Secreta de Walter Mitty (2014), interpreta um personagem extremamente carismático, responsável pelos principais – e ótimos – momentos cômicos do longa. Valeria a pena assistir ao filme só para vê-lo em cena.

O brasileiro Rodrigo Santoro desempenha um papel importante no filme e faz uma ótima participação como o milionário espanhol Rafael Garriga, dono de uma equipe de Fórmula 1, que contrata os serviços de Nicky para conseguir vantagens durante as competições e manter sua reputação. Santoro tem conseguido cada vez mais conquistar seu espaço em Hollywood, com papéis mais representativos e de maior destaque, que fogem ao estereótipo do latino que vive nos EUA. Antes de viver Garriga, o ator interpretou novamente Xérxes na continuação de 300 e em seus próximos filmes interpretará um norte-americano em Dominion, ao lado de Natalie Portman, e fará o papel de Jesus no reboot de Ben-Hur.

Focus_2015_Rodrigo_Santoro Produzido por Will Smith para ser uma filme menor e ajudar a colocar sua carreira de volta nos trilhos, Golpe Duplo é um filme de poucos riscos. “Um golpe menor, mas seguro”, diria Nicky. E essa segurança, especialmente no final, é o que pode ter impedido o longa de se tornar um filme excelente. De qualquer forma, o filme é divertido, visualmente lindo, bem dirigido e, principalmente, um bom filme de trapaça.

Nota: 7

Recomendado para quem gosta de bons filmes de trapaça, dos clássicos Um Golpe de Mestre (1973), a 11 Homens e Um Segredo (2001) e O Plano Perfeito (2006). https://www.youtube.com/watch?v=XF83aeOJBOc

Anúncios