Crítica | O Verão da Minha Vida (2013)

A Por Vinicius Menegolo

Alguns filmes são tão simples que chega a ser difícil explicar aos outros porque eles são tão bons. O Verão da Minha Vida é um desses filmes. Conta a história de um adolescente em amadurecimento durante suas férias de verão. Não há grandes viradas no roteiro ou cenas de ação, o destaque aqui são o texto bem escrito e as atuações competentes que o sustentam.

No filme acompanhamos as férias de Duncan (Liam James), um adolescente introvertido e que aparentemente detesta o verão em uma viagem “em família” para a casa de praia de Trent (Steve Carrel), namorado de sua mãe. Não bastasse o desconforto de uma viagem desse tipo, Trent faz questão de diminuir a – já baixa – autoestima do garoto sempre que possível, tornando a vida de Duncan ainda mais insuportável. Para fugir do incômodo, Duncan passa a andar a esmo pela cidade com uma bicicleta encontrada no fundo da garagem e as coisas começam a melhorar quanto o garoto conhece Owen (Sam Rockwell), o gerente bon vivant do parque aquático da cidade.

A temática não é nova, mas O Verão da Minha Vida, escrito e dirigido por Nat Faxon e Jim Rash (Os Descendentes, 2011) é ótimo justamente por ser capaz de trazer frescor para um tema já muito explorado. O filme não é livre de clichês, mas, assim como em Os Descendentes, os autores nos contam uma história verossímil, que se constrói principalmente através dos diálogos, das relações entre os personagens e dos certeiros momentos de silêncio e introspecção. Outro mérito do roteiro é conseguir transitar entre o clima tenso e pesado que Duncan vive ao lado de sua família e o clima divertido e amigável do parque aquático, sem exagerar demais em nenhum dos extremos.

O bom roteiro ganha vida nas mãos de um elenco bastante competente. Liam James assumiu a identidade de Duncan e atua de forma concisa até mesmo nos momentos de euforia do garoto, que é tão retraído que parece não saber como se divertir. Steve Carell e Toni Collette voltam a trabalhar juntos após contracenarem em Pequena Miss Sunshine e a sintonia entre eles está incrível. Carell faz o personagem mais canalha de sua carreira, demonstrando, mais uma vez, sua capacidade de interpretar papéis dramáticos. Collette está ótima e lida muito bem os diversos níveis emocionais de Pam, uma mulher que se diverte ao mesmo tempo em que se preocupa com seu filho e em fazer seu relacionamento dar certo.

Mas o maior destaque é Sam Rockwell (Lunar, 2009). Naturalmente enérgico em suas atuações, o papel de Owen parece ter sido escrito especialmente para o ator, que com uma atuação envolvente e verdadeira faz seu personagem ser o mais interessante do filme. Rockwell, aliás, é um dos atores mais subestimados atualmente. Bastante competente e versátil, o ator consegue que seus papéis sejam memoráveis mesmo quando coadjuvantes. E aqui não seria diferente.

Com uma simplicidade adorável, O Verão da Minha Vida é capaz de que despertar ótimas sensações durante sua projeção e um sorriso bobo no rosto do começo ao fim é inevitável. De certa forma, você se sente inserido naquela realidade e deseja que o verão de Duncan fosse seu.

Nota: 8

Recomendado pra quem gostou de: Pequena Miss Sunshine (2006), Juno (2007) e Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (2014).

o verão da minha vida 2013_1

o verão da minha vida 2013_3

o verão da minha vida 2013_2

O Verão da Minha Vida (2013)
The Way Way Back, EUA, 103 min
Roteiro e direção: Nat Faxon, Jim Rash
Elenco: Liam James, Steve Carell, Toni Collette, Sam Rockwell, Allison Janney, AnnaSophia Robb
Fotografia: John Bailey
Edição: Tatiana S. Riegel

Anúncios